quarta-feira, 10 de junho de 2015

Anna Zaires - Hold Me (Twist Me #3)



Ficha técnica: Hold Me
Autora: Anna Zaires
Editora Mozaika Publications
Lançamento original: 09/Junho/2015   LANÇAMENTO
Lançamento BR: ainda não
330 páginas
POV: primeira pessoa - Julian e Nora
Gênero: Romance Contemporâneo-Dark; Suspense

Protagonistas: Julian Esguerra e Nora Leston
Local/ano: Suíça; Colômbia; Chicago/atual

"Captor e presa. Amantes. Almas gêmeas.
Nós somos tudo isso e mais.
Pensávamos que o pior tinha passado. Nós pensamos que finalmente teríamos uma chance.
Pensamos errado.
Somos Nora e Julian, e esta é a nossa história."


O livro começa exatamente dias após o término do segundo. Portanto, se você não leu os livros anteriores, aqui pode conter alguns SPOILERS.




Lembrando os livros anteriores...
Prestes a completar 18 anos, Nora foi comemorar a data com uma amiga num nightclub novo, um que ainda não conhecia a carteira falsa das duas. Lá ela se deparou com um homem lindo e enigmático. Conversaram um pouco mas não passou disso. Nada de troca de nomes ou telefones. Dias depois, em sua formatura de Ensino Médio, ela percebe que este mesmo homem estava na plateia.
Naquela noite, na festa em comemoração da formatura, Nora finalmente conseguiu ter a atenção de um carinha que ela estava afim há algum tempo. Marcaram um cinema para a noite seguinte.
No final do encontro, um passeio inocente pelo parque, um beijo há muito esperado... e tudo fica preto.
Nora acorda num quarto estranho e escuro.

Ela descobre que havia sido sequestrada e estava vivendo numa ilha.
Como filha única ela ficou preocupada em como isso afetaria sua mãe, e seu captor disse que seus pais receberam um email informando que ela estava bem, além de uma vultosa quantia em dinheiro.

Nora ficou presa nessa ilha por 15 meses, dando tempo de comemorar um novo aniversário. Ela só conseguiu sair de lá quando teve uma crise de apendicite e seu captor, o homem do nightclub, chamado Julian Esguerra, a levou às Filipinas para uma clínica particular.
Ao recobrar os sentidos pós cirurgia, Nora percebe que seu quarto era muito bem guardado por seguranças, mas isso não impediu que um inimigo de Julian tentasse levá-la.
Julian aparece a tempo de ajudá-la a escapar, mas ele não tem a mesma sorte e o prédio em que eles estavam explode.

Nora é levada pelos federais para o seu país de origem. Lá, ela tenta retomar sua vida. Quatro meses depois, quando estava prestes a começar a faculdade, sofrendo o luto por Julian (sim, ela havia desenvolvido a Síndrome de Estocolmo), ele aparece na casa dela e a leva para sua fortaleza na Colômbia.

Assim, ela é apresentada ao mundo de Julian. Um mundo cheio de guarda-costas, com privação de certas vontades, mas tendo outras sendo prontamente satisfeitas. Ainda havia o fato de ele contrabandear armas e ser ignorado por vários governos por fazerem negócios com ele.
Ao invés de refugiar-se no medo, depois de ter sofrido um sequestro longo, um quase segundo sequestro, se ver em meio a tiroteio e explosões, ela prefere tomar as rédeas da vida com mão de ferro, e passa a ter aulas de tiros e defesa pessoal. Além disso, Julian começa a incluí-la em suas reuniões de negócios.

Ao sair para resolver um "assunto", Julian e sua equipe sofrem uma emboscada, seu avião cai e ele é mantido cativo e torturado. Seu captor queria algo que a equipe de pesquisa em armas de Julian havia desenvolvido. Não havia como saber onde localizá-lo. Até que Nora se lembra que Julian não tinha um rastreador no corpo, mas ela tinha 3.
O plano dela: deixar-se ser capturada, ser levada onde Julian estava e, assim, a equipe dele poderia resgatar a ambos.

O plano deu certo, mas antes disso Julian estava sendo brutalmente torturado; havia até perdido um dos olhos.
Agora eles escontram-se na Suíça, na melhor clínica que o dinheiro pode pagar.
Julian sofreu vários intervenções cirúrgicas para consertá-lo e minimizar qualquer cicatriz mais feia que viesse a ter, além de colocar um olho biônico (ele não funcionava para enxergar, mas tinha reações de pupila dilatada como um olho normal).

Nora vinha sofrendo de pesadelos e ataques de ansiedade desde que presenciara tantas mortes e a tortura de Julian.
Ainda na clínica, Nora pede ao médico uma pílula do dia seguinte já que seu implante anticoncepcional havia sido arrancado pelo inimigo de Julian, sendo confundido com um rastreador.

Eles nunca haviam conversado sobre a possibilidade de ter filhos. Na verdade, com o tipo de vida que eles tinham, o mais natural seria nunca terem, mas ouvir que Nora definitivamente não queria ter um filho com ELE, fez Julian sentir-se entre magoado e raivoso.

Mas parece que a pílula não fez nenhum efeito e um pouco tempo depois descobriram que ela estava grávida de 6 semanas.
O que antes era uma possibilidade quase nula, virou contentamento para Julian. Ele queria ter aquele filho com ela; e se antes ele já a enchia de cuidados, agora tudo foi triplicado. Mas, ao mesmo tempo, ele queria agradá-la, e num momento de conflito interno, sobre quem era essa nova Nora que se mostrava diante dela, ela pediu a ele que fossem passar uns dias na casa dos pais dela, em Chicago.

Visita aos pais, encontro com amigas do tempo do colégio, um novo corte de cabelo, o aniversário dela e uma noite de comemoração no mesmo nightclub em que se viram a primeira vez. E foi a partir daí que tudo desandou...

Um estupro, uma briga no banheiro, morte, sangue por toda parte, dores abdominais.
Em questão de horas a visita pacífica de Julian e Nora aos Estados Unidos acaba virando uma guerra entre gangues; até os pais dela acabam envolvidos na ação.
Numa tentativa de sair do país sem ser detectado, logo o comboio de Julian se viu cercado por 15 carros do chefão da máfia e tráfico de armas de Chicago, com boa parte da polícia comprada em apoio a ele. Tiroteio de AK-47, bombas, um hangar do aeroporto indo pelos ares e Nora não pensou duas vezes quando teve que salvar a vida do homem que ama.

A partir de agora, com essa nova realidade, Nora terá de enfrentar a verdade sobre quem é essa nova mulher que se olha no espelho todos os dias. Seus pais tiveram que aceitar que ela não mais era aquela menininha deles, e depois de se sentir culpada por ter pedido a ele que viajasse à América, e depois disso ver tudo mudar, Nora não tinha certeza se ainda tinha um lugar ao lado, na cama e no coração do homem que tanto amava...



A trilogia é repleta de tudo. Os sentimentos são em último grau, seja a paixão, seja o ódio.
Os acontecimentos, seus pontos principais, foram elencados no resumo acima, mas o mais importante em tudo isso, e que a autora soube transmitir muito bem, foi a mudança emocional/pscológica/moral da personagem.

Como eu disse na resenha anterior, não podemos nos esquecer que tudo começou porque a personagem foi sequestrada. Por melhor que ela tenha sido tratada por seu captor, tudo começou com um crime.
Óbvio, acompanhamos que ela desenvolveu a síndrome de Estocolmo por ele e depois de algum tempo, como se vê no fim do livro #2, ela não quer mais viver sem ele, mesmo sabendo que a vida dele é fora-da-lei.

Nora se adequa ao seu novo mundo. Ela passa a fazer parte dos negócios dele, ela aprende a atirar e a se defender; mas, acima de tudo, o julgamento moral dela muda. O que antes para ela seria abominável, agora já vem com uma camada de justificativas, como, por exemplo, quando ela sofre o ataque no banheiro do nightclub ao defender Rosa de ser levada por seus estupradores. Uma vez que um deles é pego, ela não pestaneja quando este é morto pelas mãos de Rosa na frente dela.

Julian havia sido criado naquele meio. Seu pai havia sido o señor antes dele; ele não saberia agir de outra maneira. Ele não teria como ser mudado, mas Nora sim.



A autora não tentou transformar o personagem em algo irreal, antes, ela trouxe Nora realmente fundo para o mundo dele.

Por outro lado, para que o personagem não ficasse tão sombrio, apesar da vida sem um lado sentimental (o pai era extremamente austero e a mãe, por temer o marido, acabava por deixar o filho ser maltratado), Julian aprendeu a amar. No início era uma obsessão, mas depois ele aprendeu o real sentido de amar ao conviver com Nora.

O livro ainda tem muitos outros detalhes não só em relação aos personagens centrais, mas também alguns secundários.
Há muitas cenas hot e as cenas de ação são muito bem descritas, adrenalizando o leitor como se visse tudo num telão.

Desculpe, leitoras, mas nada de redenção total. Julian nasceu para ser o bad guy e assim o será. E no final, a conclusão que chegamos é que TODAS nós, assim como Nora, acabamos por sofrer a síndrome de Estocolmo e torcemos que tudo termine bem por pelo menos mais um dia...



Uma série dark que consegue arrepiar, mas não necessariamente fazer o leitor sentir-se mal como se estivesse desonrando tudo o que sempre acreditou.

5 ESTRELAS!!!

3 comentários:

  1. Eu sou apaixonada pelos livros desta autora!! No momento estou lendo os livros do Lucas, o braço direito de Julian. Estou amando!!

    ResponderExcluir