domingo, 30 de março de 2014

Blog Tour: Samantha Young - Wilde Riders


 photo onewiththewindbanner_zps89c7c416.jpg

Wilde Riders - Week Blitz
by Savannah Young
New Adult Contemporary Romance
Date Published: 2/23/2014

 photo add-to-goodreads-button_zpsc7b3c634.png


WILDE RIDERS (An Old Town Country Romance)

FOUR WILDE BROTHERS…ONE WILDE COUNTRY BAND
WILDE RIDERS is the first novel in a spicy new contemporary romance series about four sexy brothers, their small-town bar and their local country band. WILDE RIDERS can be read as a STAND ALONE NOVEL or as part of the SERIES.
Cooper Wilde spent his entire adolescence counting the days until he could escape rural northwest New Jersey. Now at 26, he can’t believe he’s coming back. But his late father’s bar, Haymakers, is in financial trouble and his older brother, Jake, has asked for Cooper’s help. 

Riley Smith, 25, is fresh out of her Ivy League MBA program and wants to make an impression on her employer, H & C Bank. Her first solo assignment is a fraud investigation on a business loan they made to Haymakers.

Even though Old Town is less than 90 minutes from New York City, Riley feels like she’s stepped into another world in this remote, one-bar town. Riley can’t wait to do her business and get back to the city as quickly as her sports car will take her…until she meets Cooper Wilde. He’s not like the other guys in this rural town and Riley feels inexplicably attracted to him.  



EXCERPT

The drive into New Jersey is exhausting. My only saving grace is that most of the traffic is going into the city instead of out of the city like I am. You’ve got to love those bridge and tunnel guys. I wouldn’t date one but I have a little bit of respect for them. The commute into Manhattan turns a nine hour work day into an eleven hour one, if you’re lucky.
  I can feel my stomach start to knot as I get further away from the city and further away from civilization. Pretty soon I’ll be in the sticks surrounded by woods and farmland. I can almost smell the manure that will no doubt take days to completely rid from my nasal passages. I pray that I don’t run into any animals, especially cows, which are huge, smelly and completely freak me out. The only live animals I ever care to see have to fit comfortably in a handbag, like a Chihuahua or Teacup Poodle, for example.
I have an appointment with a man named Jake Wilde. He asked me to come early, before the place opens at noon, so he can give me his full attention. I try to imagine what someone named Jake Wilde would look like and all I can come up with is an old gunslinger like Clint Eastwood in Unforgiven.
As I pull into Old Town the place looks exactly like I thought it would. The buildings in the town square are old and I image the place hasn’t changed much in the last hundred years or so.
Haymakers is just past the town square, down the hill from the deli, next to the gas station. Those were the exact directions I was given, in those words. I take that to mean the town only has one gas station and one deli.
When I pull into the parking lot, there’s only one other vehicle sitting there. It’s an old beat-up Dodge Ram. Nothing like fitting the country bumpkin stereotype like a glove. Then I have a brief moment of panic and wonder if it’s safe to park my BMW in the dirt lot. Then I remind myself where I am. Who is going to mess with it in the middle of the day? A stray deer from the woods out back? The only thing I probably have to worry about is it getting dusty.
I take in a deep breath. I have to be thankful there’s no manure smell yet. The quicker you do this, I remind myself, the quicker you can get back to the lovely asphalt jungle you call home.
I’m hit with a gust of wind as soon as I get out of my car. How is it possible that Old Town is even windier than lower Manhattan? I didn’t think I’d ever find a place windier than Wall Street. Even the Windy City didn’t seem this windy when I had business in Chicago.
When I enter the bar, I try to smooth down my thick hair, which I know is probably a complete mess from the gust. I’m surprised by the homey feel of the place. How could someone like me possibly feel at home in a country bar? Even if I was wearing jeans and cowboy boots, if I even owned jeans and cowboy boots, I wouldn’t fit in at a place like this. 
I hear someone clear his throat and I turn to see a guy about my age, mid-twenties, standing next to me. I can’t help my surprise when I see he’s wearing khakis and a polo shirt, like he just stepped off of a golf course. He looks as out of place in this country bar as I feel.
“Are you Jake Wilde?” I ask.
The guy gives me the faintest hint of a smile but it’s almost as if it pains him to give that much. His deep brown eyes look even more distressed and I can’t help but wonder what’s behind those sad eyes.
He rakes his fingers through his thick dark hair. “A little windy out, isn’t it?”
My hand automatically goes to my hair and I try to casually flatten it down again. I imagine I must look like I just stepped out of a wind tunnel.
“Your hair looks fine,” the guy tries to assure me. But he’s got that hint of a smile on his face again and it makes me wonder if he’s lying just to make me feel better.
“I’m Cooper Wilde,” the guy says as he offers a hand.
 I don’t know why I suddenly feel nervous about shaking it. It’s a business meeting. That’s what people do. But the way this guy is looking at me gives me the feeling that he might be interested in more than just business.
But I’m not, I remind myself. Not only because I’ve all but sworn off men, I’m here to do a job. I’ve been working for H & C Bank for two years and this is my first solo assignment as a lead investigator. If I continue to do well, I’ll be well on my way to becoming a Vice President before I turn thirty. I don’t need a man to throw me off my career trajectory. And definitely not some guy in a country bar in rural New Jersey.
I take his hand and give it a quick shake but I can’t bring myself to look into his smoldering eyes again. “I’m Riley Smith.”
“I figured that,” Cooper says.
“Why is that?”
That hint of a smile has returned to his face again. “We don’t often get women in business suits in the bar.”
I’m not sure why I’m suddenly overcome with the urge to get a real smile out of Cooper Wilde. I don’t know even know the guy but it somehow seems important. I get the feeling he hasn’t really smiled in a while and it’s long overdue.
Not that I’ve had much occasion for real smiles myself lately.

Savannah Young:
Romance novelist Savannah Young grew up in rural northwest New Jersey in a place very similar to the fictional Old Town, which is featured in her books. When she's not at her computer creating spicy stories, Savannah is traveling to exotic locales or spending time with her husband and their bloodhounds.

Author Links

Buy Link


Giveaway

$25 Amazon Gift Card.

a Rafflecopter giveaway


 photo readingaddictionbutton_zps58fd99d6.png

sábado, 29 de março de 2014

Jackie Ashenden - The Billion Dollar Bachelor (The Billionaire's Club #1)





Ficha técnica: The Billion Dollar Bachelor
Autora: Jackie Ashender
Editora St. Martin's Griffin
Lançamento original: fevereiro/2014
Lançamento BR: ainda não
100 páginas

"Jax Morrow é um empresário perigosamente bonito, espetacularmente rico cujo mundo está virado de cabeça para baixo quando Pandora Garret entra em um escuro, enfumaçado bar uma noite, numa impressionante combinação de sexo e inocência. 
Ele sabe que ela é problema à primeira vista, mas Jax não pode deixá-la sair ... a menos que ela o faça com ele. 

Pandora já teve o suficiente na vida. Mantida à sete chaves por seu poderoso e controlador pai, ela grita por liberdade. 
Quando ela brevemente escapa e encontra Jax, ela sabe que ele é exatamente o que ela tem procurado: uma paixão proibida e inesquecível. 
Depois de uma noite nos braços de Jax, Pandora sabe que ela nunca poderá voltar a viver sob o domínio de um só homem. Determinada a controlar a sua própria vida, ela tenta resistir a Jax, mas um desejo perigoso nasce entre eles - um que ameaça destruí-los. Mas ambos descobrem que simplesmente não podem escapar..."

ROMANCE CONTEMPORÂNEO. 


(English review scroll down)


Pandora não tinha uma caixa. Ela ESTAVA vivendo dentro de uma.
Seu pai, o terrível Nick Garret, é o gangster, dos tempos modernos, mais famoso. Não há político ou policial que não tenha sido comprado por ele. Seus negocios, sempre escusos, são mantidos sob os holofotes. Assim como sua filha.
Entretanto, agora ele pretende usá-la como arma para ganhar novos aliados. Pandora faria aniversário no dia seguinte. Vinte e cinco anos dentro de uma caixa muito bem cuidada e armada até os dentes. E no dia de seu aniversário ele anunciaria seu noivado com Sergei. Uma jogada puramente política.

Mas não era isso que Pandora queria para sua vida. Sair das mãos de um dono e ir para outras. Ela queria conhecer pessoas além do virtual.
Quando seu guarda-costas - que ela chama de Coisa Um - sai do carro, por conta de algum caso de incêndio nas imediações, para checar a lentidão no trânsito, ela se vê sozinha pela primeira vez em anos. O Coisa Dois não estava trabalhando naquele dia e o motorista estava mais interessado em passar torpedos para a namorada do que nela. Ela agarrou a chance e fugiu.

Sem ter para onde ir, e com uns sapatos altos que já estavam matando seus pés, ela decidiu entrar num bar. Um lugar chique, uma atmosfera "noir", quando ela se deparou com o par de olhos azuis mais enigmáticos que ela já tinha visto...

Jax Morrow estava afogando as mágoas no copo de qualquer coisa que tivesse alcool suficiente para deixá-lo a nocaute. Cheio de problemas na empresa familiar... Empresa? Eu diria mais no conglomerado de bilhões de dólares que agora ele era responsável desde que seu pai caíra doente. Além disso, ele precisava melhorar o relacionamento que tinha com seu irmão Donovan, o Relaçoes Públicas da empresa, e tentar encontrar Sean, que há cinco anos fugira com uma gangue de motociclistas e nunca mais fora visto.
Pensava estar quase conseguindo seu intento em relação à bebida quando a viu...

Ela estava ali parada na entrada do bar, parecendo feliz por ver algo pela primeira vez. Linda, com seus cabelos negros e seu vestido vermelho curto moldando o corpo, deixando pouco para a imaginação de qualquer um ali. 
Seus olhares se encontraram e ela dirigiu-se ao lado dele.
Sua voz era veludo puro e ele decidiu que poderia tirar vantagem. Ele não era homem de uma noite somente, mas poderia arriscar. Por ela, ele estaria disposto a tal. Uma noite de sexo selvagem no anonimato..

"- Mas eu preciso chamá-la de alguma forma. Talvez Branca de Neve.
Uma risada nervosa saiu dela. - Branca de Neve? Isso é tão simplório.
Novamente, ele não sorriu, mas alguma coisa brilhou dos olhos dele, algo que pareceu diverti-la.  - Por que não? Cabelo negro. Pele alva. Lábios vermelhos. Você é a personificação de Branca de Neve.
- Então isso faz de você o quê? Você não parece o Príncipe Encantado pra mim. 
Porque príncipe encantado era o bom rapaz, e este homem definitvamente não o era. O fogo em seus olhos azuis, a arrogância, a voz grave -  aquelas coisas que só pertencem aos garotos muito maus.
Os lábios dele se curvaram num sorriso que fez com que o coração dela saltasse uma batida. - Oh, querida, eu não sou o Príncipe Encantado. Eu sou o Caçador." 

A noite foi perfeita e tudo poderia continuar sendo se ele não descobrisse na manhã seguinte de quem ela era filha...
Um pouco de drama, please!
Nick Garret tratava a filha como uma mercadoria; e como estava se sentindo lesado, ofereceu a Jax a solução perfeita: um casamento. O nome Morrow daria credibilidade aos negócios escusos de Garret, e em troca, ele não soltaria os segredos que os Morrow gostariam de manter debaixo do tapete. Chantagem pura e simples. Ou é claro, ainda havia a opção de levar Pandora para casa e manter o planejamento de fazê-la casar com Sergei.

Alguém ouviu o sininho da possessividade tocando?

A proposta foi aceita.... a princípio, mas Jax não deixaria Pandora longe de suas vistas. Ele não confiava no pai dela. Além disso, ela não tinha amigos, familiares, sequer dinheiro próprio para se manter. Tudo era regulado pelo pai. E o noivado falso começou...

O tempo em que passam juntos, Jax tenta manter-se afastado de Pandora. Tudo era apenas uma encenação para os jornalistas. Mas Pandora não queria envolvimento. Ela queria sexo. Ela queria liberdade; e com esse seu jeito de moleca, ela conseguiu enredar Jax numa situação mil vezes pior do que apenas ser a filha do arquiinimigo de sua família...




Mais um conto - apenas 100 páginas - que te mantém presa do início ao fim.
O ritmo é ótimo, os personagens envolvem o leitor e você fica querendo saber o que vai acontecer com cada um deles, em especial com cada um dos irmãos Morrow (ainda tem Donovan e Sean).
Delícia! Nada de cliffhanger. Cada história com seu final.
Adorei e partindo para o livro #2.



5 ESTRELAS.

Sobre a autora 




*Cópia do livro cedida pela editora, através do NetGalley, em troca de uma resenha de opinião honesta
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

(english review)


Pandora didn't have a box. She was living inside one.
Her father, the terrible Nick Garrett, was the modern and most famous gangster in town. There were no politician or police officer who has not been bought by him. His business, always vested, were kept out of the spotlight. Just like his daughter.
However, now he intends to use her as a weapon to gain new allies. Pandora would birthday the next day. Twenty-five years within a very well staffed and armed to the teeth box. And on the day of her birthday he would announce her engagement to Sergei. A purely political move.

But that was not what Pandora wanted to her life. Leave the hands of a master and go to others. She wanted to meet people beyond the virtual.
When her bodyguard - she calls Thing One - out of the car, on account of some event of fire in the surroundings, to check for delays in traffic, she finds herself alone for the first time in years. The Thing Two was not working that day and the driver was more interested in going to text his girlfriend than her. She grabbed the opportunity and fled.

With nowhere to go, and with some heels that were already killing her feet, she decided to enter a bar. A chic place, a "noir" atmosphere, when she came across the most enigmatic pair of blue eyes she had ever seen ...


Jax Morrow was drowning his sorrows in glass of anything that had enough alcohol to let him KO. Full of problems in the family business ... I would say more in the billion dollar conglomerate that now he was responsible since his father fell ill. In addition , he needed to improve the relationship he had with his brother Donovan, the PR company, and try to find Sean, who had fled five years ago with a biker gang and never been seen.
He thought he was almost getting his intent in relation to drink when he saw her ...

She was standing there at the entrance of the bar, looking happy to see something for the first time. An awesome view, with her ​​black hair and her short red dress shaping the body, leaving little to the imagination of anyone there.
Their eyes met and she walked to sit beside him.
Her voice was pure velvet and he decided he could take advantage of. He was not a man one night only, but could have risk this time. For her, he would be willing to do so. A night of wild sex in anonymity ..

The night was perfect and everything could remain if he would not find out in the next morning whose she was the daughter ...

A little drama, please!

Nick Garret uses his daughter as a commodity, and as he felt injured he offered to Jax the perfect solution: a wedding. The Morrow name would give credibility to the shady dealings of Garret, and in return, he would not let go the secrets that Morrow would like to keep under the rug. Pure and simple blackmail. Or of course, there was still the option to bring Pandora  home and keep the plan to make her marry Sergei.

Someone heard the bell of possessiveness ringing?

The proposal was accepted.... but Jax would not let Pandora out of his sight . At least while they would pretend to be engaged. He did not trust her father. Moreover, she had no friends, family, even own money to maintain herself. Everything was regulated by her father. And the fake engagement began ...

The time they spend together, Jax tried to stay away from Pandora. Everything was just fake act to journalists. But Pandora did not want commitment. She wanted sex. She wanted freedom, and on this kid way of being she got entangled Jax a situation a thousand times worse than just being the daughter of his family's archenemy ...


A short story - only 100 pages - that keeps you stuck from start to finish .
The pace is great, the characters engage the reader and you wonder what will happen to each of them, in particular with each  Morrow brother (still have Donovan and Sean's stories) .
Another good thing: No cliffhanger. Each story has its end.

5 STARS.

quinta-feira, 27 de março de 2014

Julia Quinn - Um Perfeito Cavalheiro (Os Bridgertons #3)



Ficha técnica: Um Perfeito Cavalheiro (An Offer from a Gentleman)
Autora: Julia Quinn
Editora Arqueiro
Lançamento original: 2001
Lançamento BR: 2014
304 páginas


"Sophie sempre quis ir a um evento da sociedade londrina. Mas esse é um sonho impossível. 
Apesar de ser filha de um conde, é fruto de uma relação ilegítima e foi relegada ao papel de criada pela madrasta assim que o pai morreu. 
Uma noite, ela consegue entrar às escondidas no baile de máscaras de Lady Bridgerton. Lá, conhece o charmoso Benedict, filho da anfitriã, e se sente parte da realeza. No mesmo instante, uma faísca se acende entre eles. Infelizmente, o encantamento tem hora para acabar. À meia-noite, Sophie tem que sair correndo da festa e não revela sua identidade a Benedict. 

No dia seguinte, enquanto ele procura sua dama misteriosa por toda a cidade, Sophie é expulsa de casa pela madrasta e precisa deixar Londres. O destino faz com que os dois só se reencontrem três anos depois. Benedict a salva das garras de um bêbado violento, mas, para decepção de Sophie, não a reconhece nos trajes de criada. 
No entanto, logo se apaixona por ela de novo. 

Como é inaceitável que um homem de sua posição se case com uma serviçal, ele lhe propõe que seja sua amante, o que para Sophie é inconcebível. Agora os dois precisarão lutar contra o que sentem um pelo outro ou reconsiderar as próprias crenças para terem a chance de viver um amor de conto de fadas."

ROMANCE HISTÓRICO. LANÇAMENTO.


"Embora os Srs. Bridgertons sejam apenas isto - apenas senhores -, ainda são considerados dois dos melhores partidos da temporada. É de conhecimento geral que ambos são donos de respeitáveis fortunas, e não é necessário ter a visão perfeita para saber que também possuem, assim como todos os outros irmãos, a beleza da família..."

E foi dada a largada à mais uma temporada de caça aos maridos. E claro, Lady Whistledown, a maior fofoqueira da ton, aquela que ninguém descobriu ainda quem é, não podia deixar de destilar o seu veneno, e, mais ainda, deixar de citar os maiores partidos da cidade, a saber os 2 Bridgertons ainda solteiros e em idade para casar: Benedict e Colin.

O anual baile de máscara oferecido por Lady "mãe" Violet Bridgerton é um dos mais concorridos. Não só pela qualidade do mesmo, mas também porque dá oportunidade das mães de oferecerem suas filhas em bandejas de prata. Como Anthony Bridgerton, o único detentor de um título e mais velho dos irmãos, já se encontra casado - resenha AQUI -, a mãe deles tenta de todas as formas fazer com que seus dois próximos filhos na linhagem conheçam boas pretendentes. O que horroriza sobremaneira a ambos, mas como bons filhos, procuram agradá-la.

Portanto, não seria novidade para ninguém que Benedict estava apenas sendo gentil, pela mãe, em dançar com todas as moças e, em muitos casos, ter os seus pés massacrados. Mas a partir daquele baile, tudo mudou.

Como uma força magnética, ele sentira que algo diferente estava acontecendo. Foi exatamente quando tudo aconteceu...


"Então, quando se virara e a vira, soube no mesmo instante que ela era o motivo pelo qual ele estava lá naquela noite, o motivo pelo qual morava na Inglaterra. Diabo, o motivo pelo qual ele havia nascido."


Por ser um baile de máscaras ele não tinha como saber quem era aquela mulher misteriosa. Mas uma certeza ele tinha: ela seria dele.

Sophie Beckett cresceu sabendo que era a filha bastarda de seu tutor, mesmo que ninguém na casa tivesse lhe dito. Aos três anos de idade ela fora deixada à porta da casa do Conde de Penwood. Apesar do conde não lhe dar muita atenção, ela recebera educação como alguém da nobreza. 
Alguns anos depois o conde casou-se. E junto com a esposa trouxera as duas filhas desta, que estavam com idades próximas a Sophie. Mas ao invés de Sophie ganhar duas irmãs, ela ganha hostilidade.
O conde morre pouco tempo depois, deixando Sophie sob os cuidados da megera.
Uma cláusula no testamento faz com que a condessa tenha que engolir a presença de Sophie na casa, mas isso não ocorreria de maneira pacífica. Sophie fora transformada, aos 14 anos, na serviçal da casa, sem direito a pagamento ou folga.
E assim os anos se passaram...

Agora aos 21 anos, e ainda trabalhando como criada, Sophie teve a oportunidade de participar de seu primeiro baile. Não, ela não havia recebido um convite. Mas os outros empregados da casa acharam que pelo menos uma vez na vida ela merecia ganhar algo.
E foi assim que ela se tornou a Bela do Baile.
E foi assim que ela acabou nos braços de Benedict Bridgerton...



E como toda boa Cinderela, Sophie precisou fugir do baile à meia noite, hora em que os convidados retiram suas máscaras, e um pouco antes do horário de sua patroa e as filhas desta voltarem para casa.
Sophie experimentou a leveza de se dançar uma valsa; a facilidade de sorrir, e seu primeiro beijo.
Ao fugir dos braços de seu príncipe encantado, Sophie perdeu mais do que um sonho, ela perdeu o único lugar que conheceu como lar. No dia seguinte, ao descobrir a fuga de Sophie, a condessa a colocou na rua.

Três anos mais tarde, circunstâncias tenebrosas colocam Sophie e Benedict no mesmo ambiente. Ele não a reconhece sem o bonito traje de festa, o que a decepciona. Mas ainda assim, ele sentia que não poderia deixá-la vagar sozinha pela cidade. Ele a ajuda a encontrar um novo trabalho. Ela o ajuda a se curar de uma gripe forte. Ele lhe propõe que seja sua amante. Não querendo transmitir aos futuros filhos a sina que viveu em ser uma bastarda, ela recusa.

  

A luta entre o sim e o não dos dois é forte e longa.
Sophie tem seus motivos para evitá-lo; e ele tem tantos outros para ficar atrás dela. No final, o desejo fala mais alto e os dois sucumbem à paixão.


Mas como todo conto de fadas ainda passa pelo teste final, Sophie passa por uma grande provação, logo depois de Benedict descobrir que a mulher misteriosa que ele procurara por seis meses estava à sua frente todo aquele tempo. Se quisessem ficar juntos eles teriam de passar por cima das convenções da sociedade e derrotar uma perigosa inimiga...

Este é daqueles livros que você lê suspirando e com um sorriso idiota nos lábios. Isso quando você não cai na gargalhada nas cenas em que os Bridgertons aparecem juntos.
A dinâmica familiar deles é fantástica, sempre implicando um com o outro. E Lady Violet é uma mãe maravilhosa, sempre atenta a tudo.

Percebeu as características de Cinderela? Não tem como fugir. Na verdade, conforme eu lia, eu conseguia ver as semelhanças com o filme "Para Sempre Cinderela", com Drew Barrymore. Inclusive a descrição das filhas da madrasta: a mais velha bela mas insuportável, enquanto a mais nova era meio gordinha, ignorada pela mãe e irmã, e tratava a "borralheira" um pouco melhor.




Somente o "príncipe" era bem diferente. Benedict com seus quase 2 metros de altura definitivamente era um mau caminho inteiro!!!
Há várias partes em que você sente seu coração na garganta pela forma com que Sophie é tratada. E no final, em sua prova final, a injustiça é tamanha que revolta. Mas claro, sendo um Julia Quinn, temos o nosso final feliz.

E você sabia que existe um conto com o mesmo nome, denominado "Epílogo 2", que traz a história de Posy Reiling? Será que a Arqueiro vai trazer para nós como extra em algum livro futuro?

O próximo livro? Traz o queridinho de muitas leitoras, Colin Bridgerton. Ele se verá às voltas com Penelope Featherington, uma amiga querida de sua irmã Eloise. Além da língua ferina de Lady Whistledown. E por falar nela, já começa a aparecer pistas de quem se trata. Será que teremos o mistério descoberto já no próximo livro?

5 Estrelas.




*Gravura 1: foto Pinterest
Gravura 2: ©Alan Ayers
Gravura 3: ©Chris Cocozza

terça-feira, 25 de março de 2014

Brenda Novak - Come Home to Me (Whiskey Creek #6)



Ficha técnica: Come Home to Me
Autora: Brenda Novak
Editora Harlequin
Lançamento original: 25/03/2014
Lançamento BR: ainda não
416 páginas

"Lar é onde seu coração está ... 

Quando Presley Christensen retorna a Whiskey Creek com seu filhinho, depois de dois anos de distância, ela mudou completamente sua vida. Ela fez as pazes com o seu passado e venceu o comportamento negativo, resultado de sua infância difícil. Agora ela está de volta na pequena cidade que foi a coisa mais próxima a "lar" que ela já conhecia, a cidade onde ela pode estar com a irmã que é sua única família. 


Há apenas uma pegadinha. Aaron Amos ainda vive em Whiskey Creek, pelo menos até que ele se mude para Reno para abrir uma filial da loja de auto dos irmãos Amos. E não importa o quão duro ela tenha tentado, Presley não foi capaz de esquecê-lo. Vê-lo novamente faz o anseio muito pior. Mas ela espera que possa vencer os próximos meses, porque ela não pode cair de volta em seus braços ... ou em sua cama. Ela já foi longe demais para desviar agora. E há um segredo que ela está guardando. Um segredo que ela fará qualquer coisa para proteger."

ROMANCE CONTEMPORÂNEO. LANÇAMENTO.


(English review scroll down)

Cidade pequena tem aquele problema onde todos conhecem a vida de todos, por isso, quando Presley voltou a Whiskey Creek, ela PRECISAVA mostrar que havia mudado.
Seu passado fora envolvido com relacionamentos inconsequentes e uso de drogas pesadas. E mais, ela era conhecida como a "sombra" de Aaron Amos.
Presley decidiu mudar de vida completamente quando duas coisas aconteceram: a morte de sua mãe e uma gravidez não planejada. Agora, ela precisava sumir e recomeçar sua vida em outro lugar, para colocar a cabeça no lugar; antes que o pai da criança descobrisse e pedisse a ela para fazer um aborto.
Dois anos mais tarde, ela retorna à sua cidade, próximo à sua única família, sua irmã Cheyenne, casada com Dylan Amos, irmão mais velho de Aaron.

Aaron não era exatamente um bad boy, mas teve seus momentos de rebeldia.
Ao saber que Presley voltara à cidade, ele decide vê-la e a encontra no lançamento de Ted (história livro anterior - resenha AQUI).  Ele não esquecera de Presley por dois motivos: primeiro, mesmo sem ter um compromisso, eles viviam juntos, transavam loucamente e ela fora a única que o fizera querer mais com a mesma garota; depois, porque ele não soubera lidar com a situação dela quando ela veio pedir-lhe apoio na morte da mãe dela. Ele surtara lembrando-se de sua própria experiência anterior, e a deixara abandonada. Sentia-se culpado. Queria consertar a situação entre eles. Mas ela estava diferente. Não somente o seu físico estava melhor, mais definido, mas também, agora, ela era mãe de um lindo menino chamado Wyatt.

Presley estava montando um pequeno estúdio para trabalhar como massagista e profa. de ioga. Economizara tudo que podia, vendera o carro. Precisava criar seu filho e estava disposta a fazê-lo sozinha, sem a ajuda do pai de Wyatt; sequer deixá-lo saber que era pai.

Aaron não conseguia acertar as contas com Presley; ela mostrava-se arredia. E pior ainda com Riley rondando-a, querendo ter um relacionamento sério com ela. Isso acionou o lado possessivo de Aaron. Mas além de ter de lidar com um concorrente, Aaron se vê no meio de segredo digno de livro de suspense envolvendo a esposa de seu irmão Dylan.

Totalmente xonada por essa série!!! E olha que já a conheci a partir do livro #5!!!
A forma com que Novak apresenta os personagens é deliciosa. 
Mesmo que eles já tenham sido apresentados em livros anteriores, o leitor consegue entender a história de cada um perfeitamente, seus dilemas, seus medos, suas descobertas.
O romance é delicioso. É sexy, nada hot. 
O enredo pode parecer simples, mas sempre traz uma surpresa à história, algo totalmente surpreendente ao leitor, como é o caso deste aqui. Creio que o que começa neste livro (sem spoiler), vai ter uma consequência enorme em algum outro mais à frente.

As capas sempre são tão lindas e românticas...
O ritmo é perfeito.
Os personagens, com conexão total.
Ponto positivo: Brenda foca a história no casal central, mas, ao mesmo tempo, não deixa furos na história em relação aos personagens secundários.
Ponto negativo: Aaron acredita que por culpa do que sofreu na infância não é capaz de dar seu coração a alguém em definitivo, com isso o "eu te amo" aqui custa a sair. É fofo quando finalmente sai, mas se tivesse saído um pouquinho antes para dar tempo do leitor curtir mais...

Brenda Novak entrando para a minha lista VIP.

5 ESTRELAS e já querendo o próximo!!!!



*Cópia do livro cedida pela autora em troca de uma resenha de opinião honesta.

--------------------------------------------------------------------------------------------------

(English review)


Small town has that problem where everyone knows everyone's life, so when Presley returned to Whiskey Creek, she NEEDED to show that she had changed her life.
Her past was involved with inconsequential relationships and heavy drug use. Plus, she was known as Aaron Amos' "shadow ".
Presley decided to change her life completely when two things happened: her mother's death and an unplanned pregnancy. Then, she needed to go away and start her life elsewhere, to put her head back on tracks, before the child's father found out and asked her to have an abortion.
Two years later, she returns to her town, closer to her only family, her sister Cheyenne,  married with Dylan, Amos' eldest brother.

Aaron was not exactly a bad boy, but he had his moments of rebellion.
Upon learning that Presley returned to town, he decides to see her and met her at Ted's release book (character from previous history book). He had not forgotten Presley for two reasons: First, even without a commitment, they were always together, had wild sex and she was the only one that made him want more with the same girl; then, because he had not known how to handle the situation when  she came asking for support in her mother's death. He froke out remembering his own past experience, and left her abandoned. He feels guilty now. Wanted to fix the situation between them. But she was different. Not only her body was better, more shaped, but now she was a mother of a beautiful baby boy named Wyatt.

Presley wanted to open a small studio to work as a massage therapist and yoga teacher. Had saved everything she could, sold the car. She needed to raise her son and was willing to do it alone, without Wyatt's father help, nor even letting him know that he was the father .

Aaron could not settle accounts with Presley; she showed herself aloof. And even worse with Riley hovering her, wanting to have a serious relationship with her. This triggered the possessive side of Aaron. But besides having to deal with a competitor, Aaron finds himself in a worthy secret drama involving the wife of his brother Dylan.

Fully in love with this series! And  I knew it only on last book!
The way Novak presents the characters is delicious.
Even if they have already been presented in previous books, the reader can understand the story of each one perfectly, their dilemmas, their fears, their insights.
The novel is delicious. It's sexy, nothing hot.
The plot may seem simple, but always brings a secret to the story, something totally surprising the reader, as it is the case here. I believe that what begins  here (no spoiler), will have a huge consequence on some other later.

The covers are always so beautiful and romantic ...
The pace is perfect.
The characters, with full connection.
Positive point: Brenda focuses the story on the central couple, but at the same time, there are no holes in the story about secondary characters.
Negative point: Aaron believes because what he suffered in childhood he is not able to give his heart to someone else, the "I love you"  here costs a long time. It's cute when he finally comes out, but if it had happened just a little earlier to give the reader time to enjoy more, it would be perfect.

Brenda Novak came in to my VIP list.

5 STARS and wanting for the next yet!!!

segunda-feira, 24 de março de 2014

Kindle Alexander - Always

Este é o primeiro livro desta autora que resenho aqui. Não que seja o primeiro dela que leio; na verdade venho acompanhando o trabalho dela há algum tempo e publico as resenhas a respeito em meu perfil no Goodreads.
Mas por uma simples razão: os livros de Kindle trazem um romance contemporâneo gay M/M (quer dizer homem/homem).

Aqui no Brasil este gênero ainda não chegou (o que não é novidade. Só agora entramos pra valer na era Romances Históricos. Estamos a anos luz atrasados!), mas em outros países, ele é mais do que sucesso.

Sejamos sinceros, o “Arco Íris Power” veio para ficar. O setor de turismo já entendeu isso e cria pacotes direcionados ao público LGBT.

Não adianta tapar o sol com a peneira. Um país que vibra como se fosse final de campeonato de futebol quando finalmente uma novela em horário nobre transmite um beijo gay, seria hipocrisia fingir que este tipo de livro não existe.


Portanto, se você acompanha minhas resenhas e se sente incomodado(a) com o gênero que vou resenhar agora, pare de ler e volte aqui amanhã, quando eu voltar com outra resenha “florzinha”. Mas se você não tem preconceito, é ousado ou simplesmente curioso, seja bem vindo e vamos ao livro!



Ficha técnica: Always
Autora: Kindle Alexander
Editora self
Lançamento original: 11/março/2014
Lançamento BR: ainda não
280 páginas

"Nascido em uma família de políticos de prestígio, Avery Adams joga tão duro no dia a dia quanto no trabalho. O lindo, carismático advogado está acostumado a obter o que quer, até mesmo os freqüentes encontros de uma noite, o fizeram ganhar sua merecida reputação de playboy. Quando alguns dos homens mais proeminentes na política sugerem que ele concorra para o senado, Avery decide que chegou o momento de seguir os passos de seu avô. Com uma estratégia delineada  e a campanha em andamento, Avery está pronto para entrar na vida política a todo vapor. Mas nenhum planejamento  o preparou para o belo e metódico dono do restaurante que poderia inviabilizar seu futuro político.

Fácil  sequer está no top das mil palavras para descrever a vida de Kane Dalton, depois que seu pai, um devoto pastor batista do sul, o expulsa da casa da família por questionar sua orientação sexual. Apesar de todos os tomates podres que a vida joga no seu caminho, Kane faz algo por si mesmo. Entre possuir um sofisticado e próspero restaurante italiano no coração do centro de Minneapolis e gerenciar seu namorado de longa data, sua vida está tumultuada. Ele se esforça para seguir os ensinamentos de sua infância e, ao mesmo tempo, aceitar plenamente sua sexualidade e livrar-se das dúvidas provocadas por sua educação religiosa. A última coisa que ele precisa é a sofisticada distração em forma de um loiro gostoso sentado na mesa trinta e quatro."

ROMANCE CONTEMPORÂNEO. LANÇAMENTO. ERÓTICO. M/M.


(English review scroll down)

Anos 1970.

Concorrer ao Senado pelo partido Democrata. Isso poderia parecer algo simples para Avery Adams. Ele vinha de uma família de políticos. Seu avô havia alcançado o cargo mais alto na política americana. Seria só uma questão de tempo até que ele chegasse lá.
Advogado renomado, Avery era lindo, alto, inteligente, com um carisma bem conhecido dos políticos e gay.
Ele não levantava bandeiras. Mantinha sua vida na maior discrição possível, mas não fugiria de uma briga se fosse necessário.



Tinha fama de playboy porque gostava de manter seus casos a um braço de distância, mas na verdade, ele ainda não havia encontrado a pessoa certa. Até que decidiu experimentar o restaurante italiano mais badalado de Minnesota, o La Bella Luna.
Fora só e esperava encontrar alguém com quem pudesse voltar para casa. E foi "atropelado" pelo próprio dono do local...

Kane Dalton. Vinte e cinco anos com uma bagagem com mais baixos que altos na vida. Aos dezoito anos, ao comunicar à família que era gay, foi expulso de casa com a roupa do corpo somente. Seu pai, um pastor austero, nunca lhe perdoou por isso. Kane vagou sem rumo, dormiu na rua e passou fome, até ser acolhido por um homem que trabalhava como cozinheiro. Paulie cuidou de Kane como a um filho e o ensinou sua profissão.
Trabalharam e cresceram profissionalmente e hoje eram os donos de La Bella Luna. Um restaurante chique, que vivia com a agenda lotada, com seu cardápio sofisticado e sua bela decoração, sempre com flores frescas.

Kane era lindo, mas não tinha noção de sua própria beleza. Seu sofrimento o transformara em alguém bom. Sua criação religiosa o fizera temente a Deus e mesmo sabendo de sua orientação sexual, no fundo se sentia não merecedor de suas graças. Sua vida era dedicada ao seu trabalho. Tinha um namorado de longa data, Brian, mas muito mais por costume do que por amor. Não havia tempo para o romance. Seus bloqueios o levavam a ser fechado e focar apenas no trabalho.



Quando um dos garçons anunciou para Kane que um Adams estava em seu restaurante, ele viu como uma grande oportunidade de divulgação. Se um homem influente como aquele gostasse de seu estabelecimento, outras figuras importantes seguiriam o exemplo.
Depois de alguns minutos em que o cliente já estava à mesa sendo servido, Kane foi até lá como bom anfitrião, apresentou-se e perguntou se tudo estava indo bem. Deu-se o caos!!

Avery não lhe dirigiu a palavra e Kane achou ter estragado toda a noite, deixando uma péssima impressão no cliente. Dois dias depois, ainda se sentindo culpado, Kane enviou um pedido de desculpas a Avery pelo inconveniente.

Acontece que Kane acertara Avery em cheio. Ao ver o belo espécime à sua frente, Avery não sabia nem o que falar. Logo ele, um famoso advogado, sempre pronto a contra argumentar. Para dissipar a má impressão, ele retornou ao restaurante dias depois e procurou por Kane.

Mas como se aproximar dele quando este parecia arredio e fugia mostrando-se sempre muito ocupado? Do jeito que todo Adams sabia fazer de melhor: atacando.

Atração fatal? Melhor do que isso.
De alguma maneira Avery sabia estar de frente à pessoa que mudaria para sempre sua vida. Sua certeza era tanta que mesmo com toda campanha ao Senado estando engatilhada, ele sabia que ainda não era o momento do povo aceitar o tipo de relacionamento que ele queria ter com Kane, e ele preferiu desistir. Da campanha.

Como todo relacionamento, Avery e Kane tiveram seus altos e baixos.
O passado de Kane veio à tona, seu peso por sua escolha de vida, a consciência pesada, a ausência da familia - que só o procurava quando precisava de dinheiro, o que ele mandava religiosamente todo mês. Mas Avery foi paciente e soube ajudar Kane a sair de sua concha.

O tempo que estavam juntos fez com que quisessem ter uma família e eles partiram para a fertilização in vitro. Tiveram Autumn e Robert.

Quando os filhos já contavam 10 anos, o Partido Democrata enviou um convite a Avery para tentar o Senado mais uma vez, e desta vez ele aceitou e ganhou.
Sua carreira política decolou e o apoio de Kane e dos filhos foi fundamental.

Os filhos cresceram. Autumn seguiu os passos do pai e tornou-se advogada, enquanto Paul formou-se médico cirurgião.
O casamento de seus pais estava sólido e era exemplo para eles, e este exemplo eles levariam para a vida, porque Avery e Kane estavam juntos. SEMPRE juntos.

Para. respira.

"Eu me sinto um lixo nesse momento"


Minha resenha parece simplista, mas este é um dos romances mais LINDOOOOOOOS que eu já li nos últimos tempos.
Dois homens lindos, mas não poderiam ser  mais diferentes entre si.

Avery era totalmente seguro de si. Ele era gay e estava ok com isso. O fato de ter desistido de sua campanha naquele primeiro momento não foi por si mesmo, mas por entender que a população ainda não estava preparada para o que ele queria na vida. E ele queria o pacote completo com Kane. Talvez sua carreira política tivesse morrido ali, mas ele preferiu arriscar porque sentiu que Kane era um em um milhão.

Já Kane era cheio de neuras. Sua educação religiosa o ensinara a ser bom e temente a Deus, mas as atitudes de sua família o deixaram confuso e inseguro. Sentindo-se indigno de ser amado, ele buscava no trabalho o paliativo para esquecer do que perdera.
Ao entrar de cabeça no relacionamento com Avery - muito mais pela segurança que Avery lhe passava do que por sua própria certeza -, ele aprendera pouco a pouco o que era de verdade o amor de uma família. 
Isso sem contar que ele encontrara em Paulie, aquele homem viúvo e rústico, o apoio e amor que não tivera em casa.

Avery tornou-se a cereja do bolo em sua vida. Eles construíram uma vida digna de contos de fadas: uma casa construída para começarem a vida juntos; seu restaurante ia de vento em polpa, com possibilidade de expansão; e decidiram até mesmo aumentar a família.

Mais do que uma criança saudável, tiveram um casal e a partir dali Kane começou a entender o que era ser abençoado.

Com o retorno de Avery à política, claro que o estilo de vida diferenciado deles seria usado e atacado pelos oponentes, mas a criação até então dada aos filhos mostrou-se ter uma base sólida, e procuraram manter o máximo que puderam sua vida particular fora da mídia.

Mas claro que o pai de Kane apareceu em cena e amaldiçoou não so o filho, mas os filhos deste.
Avery não permitiria que isso ficasse impune; Kane era uma pessoa boa demais para ver seu próprio pai em rede nacional o condenando ao fogo do inferno. Então, ele decidiu que algo deveria ser feito. Era um absurdo saber que para o Pastor Dalton, o filho não era bom o suficiente para ser amado, mas seu dinheiro enviado mensalmente era muito bem vindo para manter uma bela casa e um carro do último modelo para seu uso.

Não vou dizer qual foi o desfecho desse caso, mas antecipo que foi melhor que a encomenda!!

O relacionamento evolui e eles vão vencendo cada obstáculo que surge, como em qualquer relacionamento.
Os anos passam, há alguns saltos no tempo, mas o ritmo da história não é corrido. A história termina no início dos anos 2000.
Os personagens são tão apaixonados e apaixonantes que é impossível não se sentir assim...




Ou assim...




Pontos positivos: ritmo - personagens - forma com que o romance é apresentado - o valor da família.É um stand alone escrito na terceira pessoa. E você nunca mais verá estas flores com os mesmos olhos...



Momento mais marcante para mim? Não foi nada relacionado ao amor deles, e olha que eles se amavam muito e as cenas são bem hot, mas sim a atitude da mãe de Avery:

"Eu sempre tive fé em você. Desde que o segurei em meus braços pela primeira vez, eu sabia que você estava destinado a fazer grandes coisas. Você me dá muito orgulho, Avery. Eu te amo, meu filho."

Totalmente diferente da atitude dos religiosos pais de Kane.

Ponto negativo: você tem estoque de caixa de lenço?




Você começa bem, tenta se manter no salto, mas por fim...



E quer saber? O livro NÃO é triste. É que tudo é tão lindo, com tantos detalhes que fazem a diferença, que você só tem que chorar mesmo.

Preconceito? Tô fora! A história mostra a que veio e passa uma mensagem linda. Mesmo chorando, você se sente bem.
É ler, provar e aprovar.

Taí um novo segmento, com um público cada vez maior, para as editoras brasileiras começarem a prestar atenção.

POSSO DAR MAIS QUE 5 ESTRELAS?

Sobre a autora:  





Goodreads  |  Website  |  Twitter  |  Facebook

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------

(English review)


1970s .

Running for Senate on Democratic's. This might seem simple to Avery Adams. He came from a family of politicians. His grandfather had reached the highest office in American politics. It would be only a matter of time before he got there.
Renowned lawyer, Avery was handsome, tall, intelligent, with a well-known political charisma and gay.
He kept his life in the utmost discretion but would not run away from a fight if necessary.
He was reputed playboy because he liked to keep his love cases to an arm's length, but in fact, he had not found the right person yet. Until he decided to try the hippest Italian restaurant in Minnesota, La Bella Luna.
He went there alone and hoped to find someone with whom he could return home. And he was "hit" by the restaurant's owner ...

Kane Dalton. Twenty-five years carrying more problems on his shoulders than any man with the same age. At eighteen, when he communicated to his family he was gay, he was expelled from home with only the clothes on his backs. His father, an austere pastor, never forgave him for it. Kane wandered aimlessly, slept on the street and went hungry, until to be helped by a man who worked as a cook. Paulie took care of Kane as his own son and taught  him his profession.
They worked and grown professionally and were now the owners of La Bella Luna, the best Italian restaurant in Minnesota, which lived with its busy schedule,  sophisticated menu and beautiful decor, always with fresh flowers .

Kane was lovely but had no sense of his own beauty. His suffering turned into someone good. His religious believes made ​​him God-fearing and knowing his sexual orientation, deep felt undeserving of God blesses. His life was dedicated to his work. He had a longtime boyfriend, Brian, but much more by custom than by love. There was no time for romance. His locks were taking him to be closed and focus only on work .

When one of the waiters told Kane that an  Adams was in his restaurant, he saw it as a great opportunity to promote the place. If an influential man as him liked his establishment , other important figures would follow him.
After a few minutes the client was already being served at the table, Kane went there as good host, introduced himself and asked if everything was going well. The chaos was began!

Avery did not spoke to him and Kane thought he screw up the whole evening, leaving a bad impression on the client. Two days later, still feeling guilty, Kane sent an apology to Avery for the inconvenience.

The fact was Kane had hit Avery in full. Seeing the beautiful specimen in front of him, Avery did not know what to say. He was a famous lawyer, always ready to argue against, and couldn't say a simple word!! To dispel the bad impression he returned to the restaurant days later and searched for Kane .

But how to approach him when he seemed aloof and fled showing up always too busy? Avery did what he does best: attacking.

Fatal Attraction? Better than that.
Somehow Avery knew he was facing the person who would change his life forever. His confidence was such that even with all Senate campaign being run in few days, he knew it wasn't the best time to people accept the kind of relationship he wanted with Kane, and he chose to give up. The election.

Like any relationship, Avery and Kane had their ups and downs.
Kane's past came to light, his guilt on his choice of life, conscience, lack of family - that only sought when they needed his money, he sent religiously every month. But Avery was patient and knew Kane to help him out of his shell.

The time they were together made ​​them want to have a family and they search for a surrogate. Autumn and Robert came to their lives.

When the children already had 10 years, the Democratic Party sent an invitation to Avery  try again the election, and this time he accepted and won.
His political career took off and was the support by Kane and children was essential .

The children grew up. Autumn followed his father's footsteps and became a lawyer, while Robert graduated as surgeon.
The marriage of their parents was solid and was an example to them, and they would take this example to life because Avery and Kane were together. ALWAYS together.

Stop. breath.




.
My review seems simple, but this is one of the most BEAUTIFULLLLLLLL  novel I've read in recent times.
Two gorgeous men, but could not be more different.

Avery was totally sure about himself. He was gay and he was ok with that. The fact of having given up his campaign that first moment it was not for himself, but considered that the population was not prepared for what he wanted in life. And he wanted the full package with Kane. Perhaps his political career died right there, but he chose to risk because he felt that Kane was one in a million.

Kane was already full of neurotic. His religious upbringing taught him to be good, God-fearing, but the attitudes of his family made him confused and insecure. Feeling unlovable, he sought work in palliative to forget that loss.
Entering headlong into relationship with Avery - more about security Avery handed him than by his own certainty - he learned little by little that there is a true love among family.
Not to mention that he had found on Paulie, one widowed and rustic man, the support and love he didn't find at home.

Avery became the icing on the cake in his life. They built a life worthy of fairy tales: a house built to begin life together, Kane's restaurant was successful, with plans for expansion, and even decided to raise a family.

More than a healthy child, they had twins and Kane began to understand what means being blessed.

With Avery's return to politics, of course the distinctive lifestyle of them would be used and attacked by opponents, but the way they raised their kids proved to have a solid base, and tried as best they could to keep their private life out media.

But of course Kane's father appeared on the scene and cursed not only his own son, but the children.
Avery would not let that go unpunished, Kane was a good person to see his father on national television condemning him to the hell. So he decided that something should be done . It was absurd to know to Pastor Dalton his son was not good enough to be loved, but his money sent monthly was very welcome to keep a nice house and newest car model.

I will not say what was the outcome of this case, but I can say it was better than what was planned!

The relationship evolves and they overcome every obstacle that arises, as in any relationship.
The years pass, there are some jumps in time, but the pace of the story is not fast. The story ends in early 2000.
The characters are so passionate and exciting that it is impossible not to feel this way...





Positive point: pace - characters - the way  the novel is presented - the value of family. It's a stand alone book  written in the third person. And I'll never see those flowers with the same eyes...

Most emotional moment for me? It was not anything related to their love, and WOW! They really love each other and the love (sex) scenes are hot , but the attitude of Avery's mother:

"I've always believed in you. Since I first held you in my arms, I knew you were destined to do great things. You make me proud, Avery. I love you, Son"


Totally different from Kane's parents attitude.

Negative point: Do you have stock of tissue box?




You get right, tries to keep calm, but eventually...






And you know what? The book is NOT sad. It's that everything is so beautiful, with so many details that make the difference, you just have/need to cry.

Prejudice? I'm out! The story brings the message of love, companionship, loyalty. Even crying, you feel good after reading.
You should read, test and approve.

Now there's a new growing audience for Brazilian publishers begin to pay attention.

CAN I GIVE MORE THAN 5 STARS ?