sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Ally Condie - Destino

A moda agora é escrever trilogias. Sempre fico com pé atrás quando leio, ainda na livraria, na orelha do livro "este é o primeiro de uma trilogia". Mmmmmm....E se o bolo desandar ainda no primeiro momento? (desculpe o trocadilho, mas ser boleira é fogo, né?).
Mas mantendo a mente aberta, ok, vamos encarar.

Ficha técnica: Destino (Matched)
Autora: Ally Condie
Editora Suma das Letras
Lançamento original: 2010
Lançamento BR: 2011
239 páginas



O livro é considerado gênero jovem-adulto.
Narra a história de Cassia, uma jovem de 17 anos que vive num tempo onde toda sua vida é controlada pela Sociedade. Onde morar, o que e quanto comer, no que trabalhar e até com quem se casar.
A partir do Banquete de Apresentação de Par, no qual ela conhece seu futuro companheiro, a gente toma conhecimento de como a Sociedade controla a vida das pessoas.
A princípio a própria personagem, Cassia, acha tudo lindo, maravilhoso, porque essa é a vida da qual ela está acostumada. Mas acontecimentos futuros começam a fazê-la pensar. E pensar não agrada a Sociedade.

A descoberta do par, a morte do avô, a viagem da mãe, a decisão surpreendente do pai, todos esses acontecimentos fazem  Cassia passar a duvidar se esse estilo de vida é o correto às pessoas. Por que você não tem o direito de escolher sequer a cor da roupa que quer vestir?

Gênero jovem-adulto? Bom, esse livro me deu o que pensar. Surpreendeu-me porque não esperava tantos pensamentos filosóficos num livro tido como esse gênero. Geralmente os livros jovem-adulto são mais superficiais. Esse fez-me reavaliar decisões e oportunidades.
Você vive num tempo no qual pode escolher qualquer coisa? Ótimo, mas aprenda a viver com isso, porque suas decisões, querendo ou não, afetam os a seu redor. Você não é uma ilha. Não abuse de seu direito. Use-o com responsabilidade.
Por outro lado, não pense que você é o rei/rainha da verdade. Algumas pessoas precisam aprender com seus próprios erros, enquanto outros preferem aprender dos erros alheios. Seja você o tipo que for, respeite o próximo. E se esse "próximo" for alguém que você ama, fique e espere o momento de apoiar. Quem disse que viver é fácil?

O livro termina num suspense. Espero que a autora saiba levar a história nos 2 próximos. Ela plantou bem a semente. Será o fruto bom? Leia e descubra. No mínimo você irá crescer com Cassia. 

#leituranossadecadadia:
  • Catherine Archer - Canção Ardente (Nova Cultural)
  • Mary Balogh - [Bedwyn 5] Ligeiramente Escandaloso
  • Jude Deveraux - Lenda (Bertrand)
  • Michelle Willingham - Guerreiro Guardião (Harlequin)


Mary Del Priore - Histórias Íntimas

Nada como começar minhas peregrinações nos livros por um autor brasileiro.



Ficha técnica: Histórias Íntimas - sexualidade e erotismo na história do Brasil
Autora: Mary Del Priore
Editora Planeta
Lançamento: 2011
254 páginas

Não é um livro de ficção, mas histórico-pedagógico. E também não há nada de perversão nele. Antes disso, há histórias interessantes e engraçadíssimas de como a sociedade brasileira levou/a toda a história da sexualidade, as prevaricações, os romances, as "puladas de cerca".
Sempre munida de documentos a autora transita pelo Brasil Colônia, a estada da Família Real (e as escapulidas de D. Pedro I citando nomes das amantes até!); parte para a era hipócrita, a chegada da sífiles, o aborto; o século XX e nossa atual realidade, com as redes sociais, a internet e seus pedófilos, as mulheres "frutas" e suas "surfistinhas".

O livro é delicioso de ler.
Há verdadeiras jóias em citações antigas como versinhos indecorosos e vocabulário antigo. Gravuras antigas de como as pessoas cortejavam e até a revista precursora da Playboy.

Mary Del Priore não julga, não agride. Ela narra os fatos. Faz-nos viajar no tempo e, ao mesmo tempo, ajuda-nos a refletir que a tecnologia muda, as facilidades se assomam, mas o ser humano é o mesmo ontem e hoje. De todos os tipos. Os a frente de seu tempo, os falso-moralistas, os hipócritas, os medrosos, os que querem apenas ser felizes. Abaixo um trecho interessante:


"(...)Povo irreverente que tanto adora sexo quanto falar dele,
mas que também não consegue se desvencilhar de um ranço
moralista e extremamente conservador que ainda insiste em afirmar 
que tudo o que se refere a sexo é sujo e pecaminoso,
e valoriza o sofrimento em detrimento do prazer." [pág 147]

Um livro indicado pra qualquer um que ame história (como eu), aos professores, aos curiosos, aos "voyers" de plantão.
Ela é uma de minhas autoras preferidas e com certeza vai pra área vip.




#leituranossadecadadia:

  • Mary Wine - [McJames 1] A Outra (Harlequin)
  • Gayle Wilson - Corações Seduzidos (Nova Cultural)
  • Lora Leigh - A Noiva do Coiote
  • Vários autores - ASGARD: A saga dos nove reinos (Jambo)



quinta-feira, 29 de setembro de 2011

As bienais da minha vida

Criança adora ir a parquinho, o comilão adora um restaurante (ou vários), o atleta adora praticar esporte - seja na academia, seja ao ar livre. E o BOOKAHOLIC? Pois eu lhe digo: amamos livrarias, sebos e BIENAL.

Cara, o cheiro de livro novo, o ambiente cultural, a linguagem universal ali utilizada. Fala-se em autores, edições, enredos, números de páginas, a beleza da última capa...aiiiiiiiii....o paraíso.

A Bienal (como o nome já diz "bi"= dois) ocorreu este ano no Rio de Janeiro nos dias 01 a 10 de setembro. Há quem goste de dizer que a bienal é na verdade anual, intercalando entre Rio e São Paulo. Discussões lugarísticas a parte, o importante é que TIVEMOS BIENAL. E eu estive lá!

Como faço parte de alguns grupos ligados à literatura, impossível não encontrar amigos queridos lá. Amigos que compartilham da mesma paixão. E mais, amigos que estão initimamente ligados à área já que são escritores.
Amigos doidos, outros sérios, uns que vão, outros que vêm. Reciclar não,mas compartilhar, passar adiante ideias, sonhos, histórias e muitas, muitas gargalhadas.

Abaixo pontuo alguns dos grandes momentos das últimas duas bienais que participei.

2 escritores e 1 jornalista

tarde de autógrafos do livro de Roberto Laaf

encontro com amigos do grupo SKOOB

reencontro com amiga querida

mais uma amiga querida

a Universo dos Livros arrebentou em seu painel

muitos autores capricharam na decoração de seus stands

E a Bienal de 2009:

risadas mil

decoração que atrai

lançamento do livro de Erika dos Anjos

stands que dão verdadeiras aulas de história



Famosos? A gente esbarra neles. E apesar de eles causarem grande comoção no evento, não vou lá por causa deles - apesar de ser interessante ver aquele povo todo se estapeando pra chegar perto deles. Vou lá pelos livros e pelos anônimos. Mas prometo em breve postar algo sobre os famosos presentes nesses eventos.

Por enquanto missão cumprida. Livros comprados, amigos encontrados. E até a próxima edição!


#leituranossadecadadia:



  • Leslie Lafoy - [Turnbridge 1] Paixão Irreverente (Nova Cultural)
  • Leslie Lafoy - [Turnbridge 2] A Marquesa de Lockwood (Nova Cultural)
  • Leslie Lafoy - [Turnbridge 3] A Duquesa de Dunsford (Nova CUltural)
  • Mary Wine -  [McJames 2] A Escolha (Harlequin)

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Ler ou não ler, eis a questão

Confesso que comigo não tem muito disso não. É ler ou ler. Sem outras opções.
Sou uma leitora contumaz tardia. Eu explico, apesar de ter sido criada numa casa onde tinha ótimos exemplos de leitoras (minha mãe e irmã mais velha discutiam entre si os livros que tinham lido), só fui me interessar por ler assiduamente bem mais tarde. Antes, era só leitura escolar obrigatória.

Mas eis que surge o vestibular. E naquela época (olha só o papo de gente velha...)era obrigatória a leitura de 10 títulos diferentes, obviamente, todos nacionais. E eis que minha cabeça abriu.

Eu juro que eu me tornei uma nova EU, e aí o trem saiu dos trilhos. Não parei mais. Lia tudo que via na minha frente. Biografias, romances, mistérios, autoajuda, religiosos. A lista não terminava.



Eu morava numa cidade - Curitiba, amoooooo - e lá tinha um tal de pegar livro por empréstimo que entregava em casa, uma locadora literária. A regra era pegar 1 livro por vez e tinha o prazo de 15 dias pra entregar. A moça do atendimento acabou quebrando a regra comigo, porque eu vivia fazendo o motoboy voltar 2 dias depois pra trazer um livro novo. Pra facilitar, ela deixava que eu já pegasse 3  exemplares de uma vez. E isso porque eu ainda era a organizadora de uma biblioteca de uma igreja local...

Nunca contei quantos livros já li. Tenho uma estimativa pela minha página de estante virtual, o SKOOB. Mas tenho certeza que já li bem mais do que está listado ali.

Ler me ajuda a passar o tempo, a entender a vida e as pessoas, a suportar situações indigestas, a viajar.
Por isso resolvi criar este blog.
A ideia é falar sobre os livros que me marcaram de alguma forma.
Não tenho convênio com editoras. Não puxo o saco de ninguém. Dou minha opinião.
Livro bom é aquele que mexe contigo de alguma forma, e ninguém tem que entender o porquê.

Leio de tudo um muito, e importo-me um cominho se você acha que meus livros são mais de mulherzinha do que os ditos sérios e clássicos.

Aqui vou listar os livros que achei o máximo: #amadorei; os que não me chamaram atenção a princípio mas mudaram minha opinião: #surpreendeu; os que são de meus escritores preferidos: #areavip, e aquelas leituras que divertem: #leituranossadecadadia.

Pegue seu exemplar, espalhe-se em algum canto, sinta-se em casa. A Borboleta não pode se calar.